sábado, 12 de maio de 2018

Eurovision 2018 - Final (Previsões)


12 de Maio de 2018
Primeira final do Eurovision em Lisboa!
Parece besteira mas é a primeira vez na história que Portugal recebe o maior festival de música do mundo.
Depois de uma primeira semifinal bombástica com um nível altíssimo e uma segunda semifinal mais fraquinha porém com algumas boas músicas vai ser uma final com ótimas performances para disfrutar e uma tarefa bem difícil para o jurado internacional.
Quem quer saber quem vai ganhar?Vamos ás previsões!


1.Chipre



2.França



3.Israel



4.Espanha



5.Suécia



6.Ucrânia



7.Estônia



8.Austrália



9.Noruega




10.Itália





11.Alemanha
12.Portugal
13.Moldávia
14.Irlanda
15.Dinamarca
16.República Tcheca
17.Bulgária
18.Sérvia
19.Finlândia
20.Albânia

21.Lituânia
22.Países Baixos
23.Hungria
24.Eslovênia
25.Reino Unido
26.Aústria (null points)






domingo, 29 de abril de 2018

Eurovision 2018 - 2nd Semifinal (Previsões)



Essa semifinal é bem mais fraquinha que a primeira, realmente qualquer coisa pode acontecer. Porém essas são as minhas previsões:


1.Suécia



2.Austrália



3.Noruega



4.Ucrânia



5.Rússia



6.Dinamarca



7.Eslovênia



8.Moldávia



9.Malta


10.Sérvia



Também tem muita chance:

Holanda


Precisam de muita sorte:

Hungria
Romênia
Geórgia
Letônia
Polônia

Devem passar batidos:

Montenegro
São Marino




Eurovision 2018 - 1st Semifinal (Previsões)



Já faltam poucos dias para Lisboa receber pela primeira vez na história o maior concurso de musical do mundo, o Eurovision Song Contest (ou Festival Eurovisão da Canção na língua do país anfitrião).
Como todos os anos deixo aqui as minhas previsões para esse ano, e reforço que nem sempre refletem minhas opiniões ok?
Vamos lá!



1.Israel



2.República Tcheca



3.Bulgária



4.Estônia



5.Grécia



6.Bélgica



7.Finlândia




8.Irlanda



9.Chipre



10.Armênia




Um país que tem bastante chance:

Macedônia


Podem chegar a surpreender:

Aústria
Azerbaijão
Albânia
Suiça


Tem poucas possibilidades:

Lituânia
Bielorrússia
Croácia


Precisa de um milagre:

Islândia





domingo, 24 de dezembro de 2017

Música latina de 2017 que não pode fazer falta


Como todo mundo que me acompanha sabe que todos os anos eu faço uma lista com os melhores da música a nível internacional.
Esse ano por motivo de preguiça e porque teve tanta coisa boa que é difícil escolher realmente os melhores, prefiro deixar aqui uma lista a nível mais regional (digamos) com o que mais se destacou na minha opinião.
Tem discos de todos gêneros musicais mas principalmente tem artistas independentes e emergentes, ou seja, se você tava buscando Anitta e J Balvin (nada contra os fusquinhas) mas nem lê porque provavelmente você não vai curtir esses sons se não abrir um pouquinho a sua cabeça.
Sem mais texto vamos direto ao que importa:
(Lembrando que vc pode encontrar todos esses discos no Spotify e alguns atè mesmo no YouTube)


10.Mahmundi


Sei que o disco é de 2016 mas pra mim ele chegou no comecinho desse ano então vou simplesmente ignorar esse fato e ressaltar o quanto é bom o primeiro trabalho homônimo dessa cantora carioca  e é muito consistente.
Ska, pop, reggae com aquele toque brasileiro e carioca que nos leva a um clima leve, de praia e que nos deixa bem de boa com o universo.
Azul, Eterno Verão e calor do Amor são as músicas que mais se destacam no disco.




9.Esú - Baco Exu do Blues


Eu sempre tive muita resistência com o rap mas convenhamos que Te Amo Disgraça é uma das melhores músicas brasileiras do ano e foi graça a essa música que tive a curiosidade de buscar conhecer o trabalho desse rapper baiano.
Realmente Baco Exu do Blues mostra ao que veio em seu primeiro trabalho e deve se destacar e muito na cena nacional se conseguir se manter nessa mesma linha.




8.Um Corpo no Mundo - Luedji Luna


Uma das melhores vozes que há surgido ultimamente na MPB, Luedji Luna foi uma das melhores revelações desse ano. Um corpo no Mundo traz uma leveza e paz de espírito que dá vontade de escutar uma e outra vez. Além da faixa título cabe destacar Dentro Ali e Banho de Folhas.



7.Amar y Vivir (En vivo desde la Ciudad de México,2017) -
La Santa Cecília


Não é o tipo de música que eu escutaria normalmente MESMO, porém nesse disco eles gravaram um dueto com uma artista que comentarei depois então procurei o trabalho deles e dei de cara com uma banda incrível. La Marisoul tem uma das vozes mais poderosas que eu já vi na música mexicana e nesse disco entre uma mistura de norteña, ranchera, cumbia, mariachi e rock n' roll nos dá um passeio entre muitas diferentes emoções. É um disco pra tomar uma boa tequila e rir, e chorar, e rir de novo, e dançar e muito mais.



6.La Sombra - (Me llamo) Sebastian


A música pop e toda a cultura queer chilena é de uma riqueza como poucas no mundo!
Sério mesmo, se você não conhece a cena pop chilena procure conhecer.
Mas enfim, esse ano conheci essa banda pelo clipe maravilhoso de Hijos del Peligro que vi até cansar e buscar conhecer mais o seu trabalho. Logo saiu Edificios nessa levada dark meio Radiohead e eu terminei de me apaixonar por esse artista que é urso, é geek, é indie e representa tudo o que um artista queer pode representar. Apesar das polêmicas que houveram esse ano com a sua banda nada opaca a beleza que tem esse disco e cada uma de suas músicas como Tus Gatos, La Tos, Adolescente entre outras.



5.Lechiguanas - Dani Umpi


Um dos discos mais aguardados há anos pra quem vive nessas bandas do Mar del Plata, Lechiguanas cumpre tudo o que prometeu e ainda dá mais pra nos deixar com os queixos no chão.
Quem acompanha o trabalho do Dani Umpi conhece a sua levada pop de guetto gay com letras incríveis (o que não é á toa já que ele é um excelente escritor) porém esse disco demostra uma madurez e evolução vocal bastante inesperada. Dani vinha apresentando pequenas partes desse disco em outros trabalhos mas em Lechiguanas ele se reinventa e se reapresenta a uma nova cena e geração queer latina. É difícil destacar uma música do disco já que o conjunto faz dele um disco único pra dançar e chorar ao mesmo tempo.



4.Esmeralda - Nathy Peluso


Único ep integrante dessa lista, o primeiro trabalho dessa rapper argentina é de se louvar do começo ao fim. Alabame abre o EP com uma letra espetacular sobre empoderamento feminino (aliás impossível não destacar o feminismo presente no trabalho de La Reina de la Vigilia). o EP segue com Dafne, Daga, Sandía e outras música que fazem dele o melhor ep do ano pra mim. Nathy Peluso está conquistando a Europa e a América Latina com seu som passeando entre o hip hop e trap. Depois desse EP ela lançou um novo single chamado Corashe que sem dúvidas é uma das músicas que mais escutei esse ano.



3.Musas (Un Homenaje al Folclore Latinoamericano en Manos de Los Macorinos, Vol.1) - Natalia Lafourcade


De uma maneira geral esse ano saíram vários ótimos discos de covers e versões mas nenhum deles se compara á esse trabalho belíssimo e delicado da Natália Lafourcade.
Nesse disco a cantora se afirma como uma das principais cantoras mexicanas da atualidade com suas versões lindas de clássicos do folclore latino. O álbum foi elogiadíssimo pela crítica e sucesso de público. Sem dúvidas um dos discos pra escutar hoje e sempre.



2.La Trenza - Mon Laferte

Já faz um tempinho que eu vinha observando esse cantora chilena radicada no México, mais precisamente desde Tu Falta de Querer mas esse foi "O" ano da Mon Laferte. Não teve pra mais ninguém na música latina!
La Trenza é um disco incrível que revela toda a evolução que a cantora teve através dos discos anteriores e a sua música finalmente chegou ao gosto do público. Desde Amárrame com Juanes, Mi Buen Amor con Enrique Bunbury a Primaveral o trabalho de divulgação do disco foi impecável, o que levou a cantora a uma turnê exaustiva e por isso agora ela está dando um tempo dos palcos. Escutem o disco e esperem o novo trabalho dela que com certeza será maravilhoso.



1.Em Noite de Climão - Letrux


Letícia Novaes vinha desde 2009 tendo um sucesso médio  na cena indie brasileira com o Letuce mas daí veio a (abençoada?) separação do seu parceiro de banda e de vida Lucas Vasconcellos que acabou rendendo um trabalho solista autoral aclamadíssimo pela crítica musical brasileira. 
Em Noite de Climão é um disco que mistura indie, mpb, rock em um cenário super teatral e divertido. Como o disco do Dani Umpi esse também é um disco pra dançar e chorar ao mesmo tempo. Eu gosto de escutar e sentir o disco como um vinil: com um lado A e um lado B bem definidos. Não sei dizer quantas vezes escutei, dancei, cantei cada uma das músicas desse disco mas não tenho nenhuma dúvida que é um dos discos que eu vou levar daqui para a vida toda.





--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------




E aí qual a sua opinião, concorda com a lista?






sábado, 19 de agosto de 2017

Rupaul's Drag Race Brasil- Parte 3


Resolvi deixar para o final a melhor e mais polêmica parte do post rs.
Finalmente aqui deixo a minha humilde opinião (não me ataquem) sobre que drags poderiam estar na versão brasileira do drag race. É lógico que existem drags brasileiras que estão entre as melhores do mundo e outras que apenas estão começando e já arrasam.
Essa lista é baseada nos meus conhecimentos pessoais e gerais sobre a cena drag brasileira.  Sei que tem vários estados que tem drags ótimas que eu não conheço mas vocês podem comentar aí que drags ficaram fora da lista, ok?
Ah, esclareço que fiz 1 lista com 20 dragqueens com potencial para estar no programa, o que vocês acham?



Lorelay Fox
(Sorocaba-SP)


Ela é uma das drags brasileiras mais populares nas redes sociais. Seus vídeos no Youtube lhe abriram portas para a televisão e uma visibilidade invejável a muitas outras queens BR.
Super comunicativa e com um estilo bem marcado certamente ela tem bastante para mostrar em um formato como o drag race.



As Deenjers
(Curitiba-PR)


De nível e fama internacional, seria super inovador ter uma dupla como As Deenjers competindo na Rupaul's Drag Race Brasil!
Suas makes são impecáveis e seu estilo 50's chama a atenção de qualquer um que as veja. Os shows que apresentam são de um bom gosto e elegância como poucas podem oferecer. Acho que sempre foi o sonho de muitos fãs ver elas no drag race e agora que vamos ter uma versão brasileira esse sonho está mais perto de se tornar realidade.


Alma Negrot
(São Paulo-SP)


Drag queer, artperformer. ciborgue voodoo queen, são tentativas de definir o que é Alma Negrot. Não tenha dúvidas que não existe ninguém na cena nacional que faça algo semelhante e de mesmo nível que essa pessoa que tem referências e inspirações nos trabalhos de Bjork, Ryan Burke e outros artistas de vanguarda.
Só nos resta saber se elx poderia mostrar também um pouco de versatilidade, que certamento é algo que se pede no programa.


Penelopy Jean
(São Paulo-SP)


Brasil também tem drag impersonator de qualidade sim!
Super popular entre os little monsters, Penelopy Jean tem um puta trabalho imitando a perfeição a diva pop Lady Gaga. Suas makes e shows são de deixar com o queixo no chão e ela tem todo o jeito de ser super fierce numa competição.


Sarah Vika
(Porto Alegre-RS)


Uma das drags da nova geração, a bonita tem se destacado graças a seus tutoriais de maquiagem no Youtube. Com certeza Sarah Vika é uma das drags brasileiras mais fishy, porém acredito que por se basear tanto na imagem podem terminar exigindo muito dela nas performances, mas só o tempo dirá se ela pode ou não ser uma das preferidas do público no programa.



Rita Von Hunty
(São Paulo-SP)



Ex participante de Academia de drags e apresentador do Tempero de Drag no Youtube, Rita Von Hunty é um personagem baseado em Rita Rayworth e Dita Von Teese. Com humor inteligente e um estilo bem fishy pode ser forte competidora no RPDRB.


Márcia Pantera
(São Paulo-SP)


Babado e confusão!
Seria justíssimo ver uma pessoa como a Márcia tendo a visibilidade que merece.
Com 30 anos de carreira,  Márcia Pantera é uma das dragquuens percursoras no Brasil, inclusive dizem que foi a inventora do bate cabelo!
No mínimo seria interessante ver ela participando do programa de alguma maneira, mostrando ás novinhas as origens da arte drag.



Glória Groove
(São Paulo-SP)



"Dona" da porra toda, Glória é uma das poucas drags cantoras brasileiras.
Com apenas 22 anos Daniel Garcia dá a vida á essa que já é uma das drags de mais sucessso no Brasil. Ela tem potencial para chegar pelo menos no top 4 de uma versão BR do RPDR.



Mina de Lyon
(Curitiba-PR)


Drag caricata de personagem super bem construído, Mina de Lyon ficou em segundo lugar na segunda temporada de Academia de Drags, mas eu não tenho dúvidas que ela melhorou ainda mais com o tempo e tem muito á mostrar em uma futura temporada de drag race.



Cassandra Calabouço
(Porto Alegre-RS)



15 anos de carreira demonstram que Cassandra é uma das melhores drags gaúchas.
Vista como muitas drags da nova geração como dragmother, atualmente ela já vai pela 4a edição do Pimp My Drag, uma oficina onde as pessoas podem desenvolver seus talentos drag( make, dança, criação de personagem, entre outros). Seus shows são divertidíssimos e seu carisma pode levar ela muito longe no RPDR Brasil.



Duda Dello Russo
(São Paulo-SP)


Mais uma ex partipante do Academia de drags que nos deixou com gostinho de quero mais.
Com seus visuais únicos e estilo inconfundível poderia incomodar muito á outras participantes no programa que ficam mais presas aos padrõezinhos.


Lia Clark
(Santos-SP)



Desde o seu hit "Trava Trava" muita gente pensa que Lia Clark é trans, mas ela é só uma drag personificada por Rhael Lima de Oliveira.
Cantora de funk e de uma simpatia sem tamanho, Lia encaixaria perfeitamente em uma versão brasileira do RPDR. Ela não seria a nossa Naomi Smalls?


Samantha Banks
(São Paulo-SP)


Da turma das drags djs, Samantha Banks vem oferecer negra do gueto BR realness rs.
Com estilo baseado nas negras americanas e com bastante simpatia, Samantha é mais conhecido pelo seu trabalho como dj que como performer mas acredito que com seu charisma, uniqueness, nerve and talento ela pode ir longe na competição.


Slovakia
(São Paulo-SP)


Durante muito tempo vi fotos dela pela internet e eu não sabia que era brasileira.
Da novíssima geração é uma das drags que mais se destaca.
Sinceramente nunca vi ela performando mas estou bem curioso para ver o que ela pode aportar ao programa.


Candy Diazy
(Porto Alegre-RS)



De toda a nova geração de drags gaúchas não fica sombra de dúvidas que Candy Diazy é a melhor personagem que surgiu ultimamente.
Caricatíssima e com um mega talento para os penteados, a drag se nutre de tantas referências que ás vezes pode ser difícil para um público menos informado entender ela. Mas logo ela tira da manga um show super performático com uma música bem popular e todo mundo se diverte pra caramba. Pra ficar de olho!



Nina Codorna
(Salvador-BA)



Gente, o que é essa make?
Olha, eu sigo muitas drags (do mundo todo) no Instagram e uma das que mais me impressiona sempre é a Nina Codorna. Todos os desafios de maquiagem seriam super difíceis para qualquer uma que tiver que competir contra ela, mas será que ela não é só isso?
Quem tiver vídeo de performances dela manda aí!


Aretuza Lovi
(Goiás-GO)


Mais uma drag cantora, Aretuza Lovi é conhecidíssima, principalmente pela sua música Catuaba, em parceria com a Glória Groove.
Do time das novinhas, Aretuza pode conquistar o público com sua simpatia e funcionar no programa.



Labelle Beauty
(São Paulo-SP)



Famosíssima por seus shows, Labelle Beauty já leva 15 anos arrasando pela noite.
Ela representa a old school do drag brasileiro com direito a muito bate cabelo e pouca roupa. Acho que pode ser muito bacana retratar esse lado da cultura drag em uma versão brasileira do drag race.


Concha Dóris
(Florianópolis-SC)



Ainda não conheço ela pessoalmente mas sempre escuto comentários que ela realmente é tão simpática como aparenta. Realmente no que tem relação a maquiagem ela pode deixar um pouco a desejar em relação a outras dragqueens porém suas performances, humor e carisma podem fazer ela durar no programa.


Ikaro Kadoshi
(São Paulo-SP)



Relutei muito em colocar o Ikaro aqui, porque acho que ele está em um nível que não sei se daria para competir com outras drags. Ikaro Kadoshi tem essas maquiagens incríveis que poucas pessoas no mundo tem, ele é uma espécie de Acid Betty porém melhor até. Igualmente acho que seria o máximo ver ele participar de alguma forma no RPDR BR.


--------------------------------------------------------------------------

Concorda com a lista?
Quem faltou?